sexta-feira, janeiro 22, 2010

uma carta,


Talvez para você uma carta seja pouco, e um poema seja demais...

Dentro das infinitas coisas que pensei em te dizer e outras tantas que imaginei que poderiam dar certo se contradizem nos meus atos,

mas isso não importa visto que dentro de você existe a percepção do que eu sou

E.....por mais que eu me dividisse em várias faces você ainda me veria muito mais do eu me vejo.

Do meu olhar que não te olha mais, mas que percebe, como um filme num videotape antigo, que estas perto....dos teus jogos, que são os mesmos que os meus. Do prazer que se une a dor, das lágrimas aos risos....e mesmo assim solitários seguimos!De braços e abraços com os que tem medo tentamos viver iludidos com o gosto da dor....e seguimos

Desesperadamente vivemos!

Vivemos rapidamente! Você e eu!

Talvez por saber que poderemos morrer antes dos 30 de overdose.

3 comentários:

Papoético disse...

Morrer antes dos trinta me parece bom. De overdose, parece clichê de mais para toda tua bela escrita. Há mais coisas ditas quando tua palavra cala. E isso é difícil de fazer.

Volto a visitar..
Abraço.

aturlitera.blogspot.com

Vinícius Rocha Zocolotti disse...

nós somos os únicos q podemos nos cobrar mais, é o que menos fazemos...deixamos para os outros!

Isadora M. disse...

pau que nasce morto, vive morto.
quem nasce vivo é permanência.

=)